Grupo de Desenvolvimento

Clique abaixo e conheça os outros sites do grupo

Mulher Artesã Brasileira

Minas Gerais   um  estado  rico  em  tradições  e  manifestações  culturais  e  religiosas,  e   de  lá  foram  selecionadas  três  mineiras  para  participar  da  exposição  “Mulher  Artesã   Brasileira”  que  acontecerá   em  setembro  de  2013,  na  sede  da  Organização  das   Nações  Unidas,  em  Nova  Iorque,  nos  Estados  Unidos.      

Galheiros,  Vale  do  Jequitinhonha    

Juracy  Borges  da  Silva,  50  anos,  casada,  mãe  de  3  filhos,  é  artesã  e  coletora  da   comunidade  de  Galheiros,  zona  rural  da  cidade  de  Diamantina.  Através  de  várias   gerações,   a  família  Borges   trabalhou  o  cultivo  da  sempre-viva,  flor   que  tem  a   capacidade  de  conservar  a  cor  mesmo  depois  de  desidratada,  exatamente  como  se   estivesse  viva.     Com  o  objetivo  de  preservar  as  espécies  que  estavam  em  extinção,  a  comunidade   criou  parcerias  e  aprendeu  a  fazer  o  manejo  sustentável  da  sempre-­-viva,   conservando  o  ambiente  e  promovendo  oportunidades  de  trabalho  e  geração  de   renda.     Mais  de  100  espécies  da  flor  servem  de  matéria  prima  para  um  artesanato  delicado   e  colorido,  criado  pelas  mãos  de  Juracy  e  de  suas  companheiras  junto  à  Associação   dos  Artesãos  Sempre- Viva,  fundada  em  1999.    O  processo  é  minucioso,  começando  pelo  plantio,  coleta  nos  campos  de  cultivo,   passando  pela  desidratação  das  flores,  até  chegar  à  confecção  do  artesanato.  São   produzidos  arranjos  florais,  guirlandas,  topiaras,  anjos,  árvores,  entre  outros.   A   comercialização  é  feita  através  de  feiras.      “Antes  de  surgir  o  projeto  Sempre  Viva,  nós  não  tínhamos  a  preocupação  com  a   coleta,  arrancávamos  as  flores  com  a  raiz,  não  devolvíamos  as  sementes  para  a  a   natureza.  Ninguém  pensava  que  dessa  forma  estávamos   agredindo  o  meio   ambiente”,  afirma  Juracy.    

Coqueiro  Campo,  distrito  de  Turmalina  

A  ceramista  Maria  José  Gomes  da  Silva,  mais  conhecida  por  “Zezinha”,  45  anos,   casada,  2  filhas,  foi  nossa  entrevistada  na  zona  rural  de  Coqueiro  Campo,  distrito  de   Turmalina,  no  Vale  do  Jequitinhonha,  em  Minas  Gerais.     Primogênita  de  uma  família  de  10  irmãos,  aprendeu  a  moldar  o  barro  quando   criança  com  a  mãe,  para  ajudar  no  sustento  da  família.  As  bonecas  sempre  foram   motivo  de  orgulho  para  Zezinha.       Da  natureza  ela  retira  a  argila,  disponível  em  várias  tonalidades  ,  que  somente  ela   sabe  identificar  a  cor  antes  da  queima.  Os  pigmentos  para  as  tintas  de  oleio  são   provenientes  de  cascas  de  árvores,  raízes  e  plantas.    A  extração  é  sustentável  e   dividida  entre  as  mulheres  da  Associação  de  Artesãs  de  Coqueiro  Campo,  da  qual  ela   participa.     A  produção  é  pequena  e  muito  artesanal,  sendo  que  uma  boneca  pode  demorar  até   10  dias  para  ficar  pronta.  Zezinha  que  no  passado  comercializava  suas  peças  em   feiras,  hoje  tem  clientela  fixa  e  conta  com  a  ajuda  da  família  para  atender  os  pedidos.       As  bonecas  de  Zezinha  falam  com  o  olhar,  têm  traços  marcantes,  figurino  rico  em   adereços  que  ela  sonhava  em  ter  quando  menina.  O  destaque  fica  para  as  noivas  e   mães.  Além  disso,  a  artesã  também  gosta  de  brincar  dando  formas  às  animais  de  sua   imaginação  e  obejtos  de  decoração.     “Às  vezes  quando  eu  vou  começar  uma  boneca  fico  pensando  no  jeito  do  cabelo  dela,   no  vestido,  nos  enfeites…  No  decorrer  do  processo  vou  tendo  as  ideias  e  a  criação   flui  naturalmente.  Agora  se  o  cliente  me  encomendar  uma  boneca  com  muitos   detalhes,  eu  fico  preocupada.  Tem  horas  que  eu  começo  a  achar  que  não  combina,   mas  faço  do  jeito  que  me  pedem”,  finaliza  Zezinha.      

Sagarana,  Vale  do  Arinos    

Nas  terras  de  Sagarana,  que  inspiraram  o  romancista  Guimarães  Rosa,  a  artesã   fiandeira  Gercina  Maria  de  Oliveira,  67  anos,  viúva,  12  filhos  embala  as   companheiras  de  tear  com  seu  canto.  Atualmente  mais  de  200  mulheres  são   beneficiadas  com  o  artesanato  na  região.     De  origem  indígena  da  etnia  caetés  e  criada  às  margens  do  rio  São  Francisco,  mudou   se  para  a  comunidade    onde  aprendeu    a  trabalhar    o  algodão  com  a  mãe  e  a  avó  aos   7  anos.  O  sonho  de  produzir  seu  próprio  tecido  para  vender  e  comprar  uma  roupa   vermelha  se  concretizou  ainda  menina.    
Ansiosa  para  aprender  o  ofício,  fez  de  sua  inquietação  uma  alavanca  para  resgatar  a   cultura  do  tear  que  estava  adormecida  no  sertão  mineiro,  incentivando  a  criação  da   Associação  dos  Artesãos  de  Sagarana  e  a  Central  Veredas,  onde  comercializam  a   produção  artesanal  de  9  comunidades.     O  processo  de  produção  é  trabalhoso.  Começa  no  plantio  do  algodão,  que  em   seguida  passa  por  um  descaroçador  de  madeira  e  aço  e  segue  para  a  roda  para  ser   afinado  e  se  transformar  no  fio,  que  em  seguida  será  tingido  com  pigmentos   naturais,  antes  de  ir  para  o  tear  e  se  transformar  em  tecido.     “Com  a  evolução  dos  tempos,  a  arte  de  tear  está  ficando  no  esquecimento.  A  nossa   tradição  estava  morrendo  antes  de  reunir  as  fiandeiras,  porque  o  povo  achava  que  o   pano  fino  iria  tomar  conta  do  mundo”,  afirma  a  artesã.       Sobre  o  projeto:     O  projeto  é  uma  iniciativa  da  Associação  Brasileira  de  Exposição  de  Artesanato   (ABEXA),  com  patrocínio  do  Serviço  Brasileiro  de  Apoio  às  Micro  e  Pequenas   Empresas  (Sebrae)  e  apoio  do  Instituto   Centro  Cape,  da  Agência  Brasileira  de   Promoção  de  Exportações  e  Investimentos  (APEX  –  Brasil)  e  da  Secretaria  da  Micro   e  Pequena  Empresa  da  Presidência     Sobre  a  Abexa:     Abexa  é  uma  associação  de  entidades  ou  empresas  que  trabalham  junto  ao  artesão   brasileiro.  Seu  principal  objetivo  é  o  incremento  das  exportações  do  artesanato   brasileiro  através  da  sua  promoção  no  mercado  externo.     Website:  www.abexa.org.br      

Informações  para  a  imprensa  Nilza  Barros  –  N&P  Media  Consulting,  LLC   Email:  nilzabarros@npmediaconsulting.com       Fotos  Divulgação:  Jayme  de  Carvalho  Jr./ABEXA